Marina declara apoio a Aécio

Terceira candidata mais votada no primeiro turno das eleições presidenciais, Marina Silva (PSB) anunciou no domingo 12/10, apoio formal a Aécio Neves (PSDB). O tucano disputa o segundo turno com Dilma Rousseff (PT).
“Votarei em Aécio e o apoiarei, votando nesses compromissos, dando um crédito de confiança à sinceridade de propósitos do candidato e de seu partido e, principalmente, entregando à sociedade brasileira a tarefa de exigir que sejam cumpridos”, disse Marina ao ler nota.
O apoio foi dado um dia após o tucano se comprometer a cumprir, mesmo que de forma vaga, quase todas as exigências feitas por Marina.
Em documento divulgado pela campanha de Aécio, ele se comprometeu a garantir ao Executivo o papel de demarcação de terras indígenas, a ampliar a reforma agrária e acabar com a reeleição de cargos do Executivo.
O único dos principais pontos que ficou de fora do documento lido por Aécio foi a redução da maioridade penal, que Marina é contra.

Carta de José Henrique Amigo(a) eleitor(a)

A corrida democrática rumo ao Legislativo Estadual, findou-se. Foram meses de lutas, caminhadas, visitas, viagens, comícios, compromissos diversos e, enfim, tudo passou, mas confesso: NÃO estou DECEPCIONADO e nem TRISTE.
Estaria DECEPCIONADO, se não houvesse competido, se não tivesse lutado, se não estivesse ingressado nessa disputa para tentar alcançar o meu objetivo de trabalhar para a nossa querida população goiana. Estaria TRISTE se, nessa batalha, nos momentos difíceis, VOCÊ não estivesse ao meu lado, incentivando e encorajando-me a continuar.
Portanto, a VOCÊ que esteve ao meu lado, a VOCÊ que me conheceu através de algum amigo em comum, a VOCÊ que optou pela minha pessoa ao conhecer o meu trabalho realizado no Legislativo Municipal de Rio Verde ou através dos panfletos espalhados, enfim, a VOCÊ que no momento decisivo, em frente a URNA, digitou o meu número e “clicou” na tecla CONFIRMA, fica aqui registrado o meu sincero AGRADECIMENTO.
E a VOCÊ que, pela democracia, por liberdade de escolha, votou em candidato que conseguiu ultrapassar a linha de chegada, receba os meus PARABÉNS e ao mesmo tempo o meu PEDIDO para que acompanhe e FISCALIZE o trabalho dele, assim como eu pediria que fizesse COMIGO, caso conseguisse me eleger.

Parabéns aos eleitos, que Deus os abençoe!!

MUITO OBRIGADO A TODOS!

Zé Henrique – PMDB

Pesquisa Serpes

Marconi lidera com 60,25% dos votos válidos; Iris tem 39,75%

O tucano tem 20,5 pontos porcentuais de frente, cresceu 14,39 comparado com o resultado do primeiro turno.
O governador Marconi Perillo tem 53,9% de intenções de votos contra 35,6% de Iris Resende na primeira pesquisa Serpes do segundo turno das eleições para o governo do estado. Dos 801 entrevistados dos dias 8 a 11/10, apenas 4,9% afirmaram que vão anular o voto e 5,6% estão indecisos.
Considerando os votos válidos (excluindo os nulos e indecisos), Marconi alcança 60,25% – um salto de 14,39 pontos em relação ao resultado do primeiro turno.

Idelson continua presidente da Câmara

A eleição para eleger o novo presidente da Câmara municipal de Rio Verde foi antecipada, mas Idelson Mendes fica na presidência até primeiro de Janeiro de 2015.
Iran Mendonça Cabral foi eleito presidente da Câmara no dia 01/10, com os votos dos 21 vereadores, oposição e situação se uniram pela primeira na composição da mesa diretora Câmara por um mandato de dois anos.
O novo presidente Iran Cabral só assume a presidência no dia primeiro de janeiro, quando vence o mandato de Idelson Mendes.

Sem disputa Vereador Iran é eleito presidente da Câmara Com votação unânime.

Com o plenário lotado pela população, foi realizada na manhã de quarta-feira, 01/10, a Sessão Extraordinária de eleição para renovação da mesa diretora da Câmara de Vereadores de Rio Verde.
Todos os vereadores apoiaram e votaram a favor da chapa única que tinha como candidato a presidente o vereador Iran Mendonça Cabral, que ficará responsável em comandar a Mesa Diretora da Casa de Leis no biênio 2015/2016. A sessão solene de posse será realizada no dia 01 de janeiro.
A nova mesa diretora da Câmara ficou composta pelos vereadores: Iran Cabral (PSD) presidente, vereadora Náudia Faedo (PT) vice-presidente, primeiro secretário vereador Iturival Nascimento (PTB) e segundo secretário vereador Luciano Perpétuo (PMN).
O novo presidente do Legislativo fez questão de agradecer todos os vereadores pela confiança e votação unânime, não se esquecendo de falar de suas raízes ressaltando os princípios e suporte da família como base de honestidade e prometeu uma gestão transparente e participativa para manter a união do Legislativo e Executivo em busca do fortalecimento para o desenvolvimento do município. “Quero fazer um trabalho voltado para a união. Agradeço aos colegas de parlamento pela confiança depositada em meu nome, e comprometo, juntamente com os demais integrantes da Mesa Diretora, servidores e a proteção de Deus, dar continuidade ao processo de modernização e transparência que vem sendo implementado nesta Casa de Leis, e buscaremos aproximá-la ainda mais do cidadão,” pronunciou.
Ao falar da família e amigos, Iran se emocionou. “A minha família me ajudou em todos os momentos. Eles, juntamente com a minha história política, nunca me deixaram desistir. Lembro que o vereador Lindomar Barros (falecido no dia 21/06), foi o primeiro a me apoiar, sei que onde ele estiver estará feliz como estou hoje. Agora, chegou a hora de assumir esta grande responsabilidade de ser presidente. Poder independente e relação harmônica entre os poderes são os meus objetivos,” disse emocionado.
Quanto a trabalhar ao lado de um representante da oposição, Iran afirmou que dividir a mesa diretora com a vereadora Náudia Faedo, só acrescentará positivamente. “Náudia só irá fortalecer o poder legislativo, sempre se comportou de maneira séria, transparente e é digna de nossos elogios”, completou.
A vereadora e vice-presidente, Náudia Faedo (PT) agradeceu o apoio dos vereadores e renovou o compromisso de manter a continuidade dos trabalhos democráticos. “Neste momento podemos dizer que teremos ainda mais responsabilidade com o poder legislativo. Vamos caminhar com as nossas próprias pernas, deixando de ser atrelados aos outros poderes. Vamos manter um trabalho voltado para igualdade, respeitando e divulgando com total transparência os trabalhos apresentados na Câmara, sempre apoiando o cidadão rio-verdense,” disse.
Destacando ser um momento único, o vereador Elias Terra afirmou que nenhum partido saiu vitorioso, e sim houve o fortalecimento do Poder Legislativo. “Parabéns presidente Idelson Mendes (PMN), a vossa excelência conduziu muito bem, de forma ilibada, com muito trabalho, sabemos que não é fácil. O sucesso da eleição unânime se deve a chapa tão democrática que se formou no plenário. Parabéns ao meu amigo e vereador Iran Cabral, o qual tem um histórico político exemplar, sempre buscando ajudar a população, com muita luta e dedicação, tenho a certeza que será um biênio de muito trabalho, união, credibilidade, transparência e comprometimento social,” disse.
O vereador Leonardo Fonseca disse que o vereador Iran possui capacidade de liderança, bom senso e responsabilidade. Já o vereador Iturival Nascimento, disse que, Iran possui segurança, tranquilidade, postura e ética, e assim conduzirá com sucesso a presidência.
“Além da emoção deste momento e privilégio de representar a população, hoje temos, mais do que nunca, a responsabilidade de lutar pela nossa cidade. Vivemos um período de muitos desafios. E temos que enfrentar estes desafios com determinação, legislando com transparência,” disse o vereador Luciano.
O atual presidente Idelson Mendes comanda o Legislativo até o dia 31 de dezembro deste ano, e em seu pronunciamento parabenizou o futuro presidente por esta conquista e ressaltou a importância da harmonia entre os poderes municipal. Idelson também afirmou que continuará até o final de seu mandato desenvolvendo os ajustes necessários para que seu sucessor receba a Casa com todas as condições de conduzi-la com brilhantismo na segunda metade desta legislatura, num ambiente de transição político-administrativa tranquilo, fundamental para que se produzam bons resultados para o conjunto da sociedade já no início da nova gestão.
Em seguida convidou toda população para sessão ordinária que ocorrerá no dia 13 de outubro, às 19h.

Biografia
Iran Mendonça Cabral nasceu em 18 de maio de 1975, na cidade de Rio Verde, é filho de Liondino Ferreira Cabral e Maria Luiza Mendonça Cabral. É casado com Polyanna Freitas Rodrigues e pai de Ana Laura Alves Mendonça e Iran Mendonça Cabral Filho, este nascido recentemente em 2014.
Aos 13 anos de idade, Iran teve seu primeiro trabalho como Guarda Mirim.
Estudou na EMEF (Escola Municipal de Ensino Fundamental) “Maria Brígida da Fonseca” e atualmente é acadêmico do curso de Direito da UniRV.
Entrou para a política como assessor na Prefeitura Municipal de Rio Verde no mandato do saudoso Paulo Roberto Cunha, pessoa a qual Iran sempre admirou e o tem como ídolo. Também foi assessor parlamentar na Câmara Municipal de Rio Verde.
Disputou sua primeira eleição para vereador em 2008, onde obteve 1753 votos, pelo PTN (Partido Trabalhista Nacional), sendo o 7º mais votado.
Em 2012 disputou a reeleição, obtendo novamente êxito, com 1385, desta vez pelo PSD (Partido Social Democrático).
Por: Rackel Milhomens – Assessoria de Comunicação

Escolas da rede municipal celebram Dia da Criança

No domingo, 12 de outubro é comemorado o Dia da Criança. Para celebrar a data, as instituições de ensino da rede municipal promoveram programações diversificadas.
Na quinta-feira, 09, foi a vez da Creche Lar Crianças para Jesus e da EMEI Gotas de Luz oferecerem homenagens à criançada.
Os cerca de 140 alunos da Creche Lar Crianças para Jesus foram contemplados com uma festa especial, repleta de guloseimas, brincadeiras, música e danças. A iniciativa de acordo com a gestora da unidade, Wilma de Oliveira, socializa as crianças. “Com auxílio dos pais promovemos a programação, que acontece anualmente. As crianças ficam eufóricas e gostam muito”, salientou.
A Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Gotas de Luz realizou uma programação especial em parceria com a empresa Martins & Sobrinhos. A empresa entregou brinquedos e participou das brincadeiras.
A gestora da unidade, Daniela Borges do Couto ressaltou que essa comemoração é muito importante para as crianças e toda a equipe não mediu esforço em realizá-la. “Elas ficam muito felizes em ganhar presentes. Vemos a alegria em cada olhar”, observou.
A analista de Recursos Humanos e representante da empresa Martins & Sobrinhos de Rio Verde, Flávia Santana disse que a empresa sempre se preocupou em realizar atividades sociais no município. “Nós ficamos muito felizes em poder proporcionar esse momento para essas crianças. A responsabilidade social é uma das metas da empresa”, enfatizou.
Já na EMEF João Barbosa Neto, a Semana da Criança foi voltada ao aprendizado. A unidade realizou a confecção de brinquedos que os próprios estudantes criaram. Segundo a professora, Flávia Bernardes foram três de dias de oficina. “Os alunos fizeram damas, vai e vem, bilboquês e bonecas, todos com material reciclável. Foi uma semana de muito aprendizado, alguns estudantes levaram a ideia para casa e repassaram aos irmãozinhos”.
Na sexta-feira, 10, as crianças do Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Ana Pimenta celebraram a data. O dia começou com um café da manhã especial e a tarde aconteceu uma grande festa organizada pela decoradora Gil Linhares, com balões e doces que encantaram os pequenos. “Fiz um propósito de ajudar as crianças de alguma forma e vi na escola a oportunidade de levar alegria e ser útil. A infância é a melhor fase da vida e precisa ser valorizada”, salientou.
A gestora Sineides de Oliveira agradeceu a colaboração de todos. “A festa do CMEI Ana Pimenta contou com doação de refrigerantes da Rinco e também de brinquedos pela UNIRV que fez a arrecadação mediante um projeto, além das doações, nós oferecemos um bolo e cachorro quente para as crianças”, salientou.

Produtores migram para milho e soja em 2015

Pressionada pela ampla oferta e o desaquecimento do mercado, a produção de algodão deve cair 13% nesta safra, com o recuo em torno de 12% na área de plantio. A lacuna será preenchida pelo cultivo de soja e milho, commodities que também seguem com preços em queda.
O cotonicultor do município de Campo Novo do Parecis, no Mato Grosso, Valdir Jabocowski, conta que o plantio está bem atrasado na região devido à falta de chuvas nas lavouras.
“A água ainda não veio e a previsão é que volte no dia 20 deste mês. Por aqui choveu cerca de 10 mm, enquanto o necessário era entre 40 mm e 50 mm. Com isso, vamos deixar de plantar na melhor época, em janeiro. Se o plantio começar em fevereiro já teremos perda de produtividade, tanto no algodão quanto na soja”, diz Jabocowski.
Através do leilão de Prêmio Equalizador de Preço Pago ao Produtor (Pepro) foram comercializadas 498 mil toneladas de algodão, envolvendo recursos de R$ 122,74 milhões do Ministério da Agricultura. No próximo dia 23 haverá mais um leilão.
Mesmo com o auxílio, o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa), Gilson Pinesso, afirma que a oferta do produto ainda está muito grande. “Precisamos de novos leilões, mas com certeza vamos precisar de mais dinheiro no ano que vem para recuperar o mercado”, estima o executivo.
Segundo Jabocowski, o algodão ainda está sendo comercializado por R$ 50 no Mato Grosso, abaixo dos R$ 54,90 fixados como preço mínimo. Para o produtor, mesmo com o Pepro, a “conta não fecha”, considerando que os custos de produção vêm aumentando.

Custos
Os custos de produção se destacam como mais um entrave para o cotonicultor. Jabocowski ressalta que o produtor deve desembolsar entre R$ 5 mil e R$ 5,5 mil por hectare para cultivar a terra, diferentemente dos últimos dois anos, que vinham com preços de insumos, como o adubo, mais baixos. “A logística complica ainda mais o cenário. Gastamos entre R$ 15 e R$ 20 só com frete”, disse. “A saca que custa R$ 45 aqui, chega no porto a R$ 65. Do Mato Grosso transportamos até Porto Velho, Santos ou Paranaguá”, explica o produtor.

Apesar destes problemas, o analista de mercado da consultoria Safras & Mercado, Rodrigo Neves, lembra que em setembro deste ano foram exportadas 147 mil toneladas de algodão, alta de 80% em relação ao mesmo mês de 2013.
Os três principais destinos das vendas externas são Indonésia, China e Coreia do Sul. “Tenho escutado que a qualidade da fibra está um pouco abaixo do esperado, mas mesmo assim rompemos a média das exportações”, diz.

(Fonte: DCI Nayara Figueiredo)

Eleições 2014: uma mistura de cidadania e crimes ambientais

No ultimo dia cinco de outubro, foram realizadas as eleições gerais para o legislativo estadual, federal; para o senado; para presidente da República e governadores dos Estados e Distrito Federal. Segundo os conhecedores do assunto, é essa uma oportunidade única do cidadão brasileiro, de exercer seus direitos. Mas, acima do exercício do direito e da cidadania, está à obrigatoriedade, vez que o eleitor com idade entre 18 e 70 anos, está sujeito a sanções ao deixar de votar sem prévia justificativa. Todavia, esta discussão de “o ser ou não ser”, fica para outra ocasião já que gostaria de questionar neste artigo, a questão da prática da cidadania mesclada à prática de um gravíssimo crime ambiental, o derramamento de material de publicidade eleitoral nas vias públicas. Eu, por exemplo, moro na Avenida Beija Flor, no bairro liberdade e fiquei assustado ao me levantar pela manhã de domingo dia cinco, quando vi um imenso tapete de panfletos de propaganda eleitoral, a perder de vistas na Avenida e nas ruas que cruzam a mesma; como voto na 22ª secção da 30ª zona eleitoral, instalada no Colégio Estadual Martins Borges, no centro da cidade; aproveitei para fazer uma caminhada e me dirigi a pé; foi quando percebi com certa decepção como cidadão e como morador da bonita e próspera cidade de Rio Verde, que todas as ruas do centro e da periferia foram afetadas pelas ações dos vândalos cognominados de “cabos eleitorais” e toda a cidade estava submersa ao panorama de imensa sujeira; exibindo rusticamente um colorido de um misto de tristeza e revolta. Revolta, por saber que deveria votar em alguém que deveria representar a nossa população perante o Estado e perante a União, e também para o chefe do executivo Estadual e do executivo Federal (governador e presidente de República); e como vou eleger um predador, que joga lixo e imundices nas vias publicas provocando riscos ambientais?
Recordo-me de que num passado não muito distante, uma clinica odontológica jogou uma grande quantidade de panfletos nas vias públicas da cidade, anunciando sua inauguração; o ato foi tão abusivo que os panfletos foram jogados de avião. Foram chamados à responsabilidade e multados por parte da prefeitura e pelo ministério público; tanto a prefeitura como o representante do ministério público, certamente encontraram respaldo legal para a punição dos infratores (os responsáveis pela clinica dentária), e, justamente aí que surge a pergunta: a mesma lei que proíbe um dentista, um médico, um cidadão comum, ou um ignorante qualquer de jogar lixo nas vias públicas, não seria a que proíbe e estabelece sanções a um político, candidato ou a quem em seu nome vier praticar tal infração? Ou será que nesta lei, seja código de posturas, lei ambiental ou qual a nomenclatura que haja, teria lá um “parágrafo único” com as descrições: (esta lei não se aplica a políticos ou a qualquer que seja considerado “farinha do mesmo saco”).
Acredito que não estaria cometendo nenhuma injustiça a tal generalização, de que todo distribuidor de panfletos, é, realmente abusado; por um lado a parte interessada na divulgação do seu produto, do seu estabelecimento, ou seja, qual for o “peixe”, busca mão de obra barata; do contrário, contrataria uma rede de comunicação (rádio, televisão, jornal impresso ou um site conceituado), para veicular sua publicidade; por outro lado, o contratado não é qualificado e se quer tem conhecimento de higiene pessoal, muito menos da higiene e do respeito coletivo; quer mesmo é livrar-se da bandalheira que está na mão, e voltar ao contratante para pegar sua migalha e partir. Está na hora da população se juntar para boicotar as lojas, os prestadores de serviços e todo e qualquer segmento que divulga seu produto, provocando sujeira nas ruas e dar preferência a quem contribui pela limpeza e pelo bem estar do bem comum.
Francisco de Paula Mesquita
franciscorv10@gmail.com
Habilitado para o magistério matricula nº1767/86 DRT/GO;
Técnico em agropecuária – IFGOIANO, Rio Verde GO;
Tecnólogo em Gestão de Pequenas Empresas- Centro Paula Sousa SP.

Alvaro Dias, Senador eleito pelo Paraná

Não basta trocar o presidente. É preciso mudar a relação promíscua com o Congresso. Para o senador eleito com maior porcentual de votos no país, Aécio é favorito. E terá, se eleito, a missão de adotar uma relação republicana com o Congresso

Nenhum senador eleito no domingo 5/10, teve um porcentual de votos tão grande quanto Alvaro Dias (PSDB-PR). O tucano teve 77% dos votos válidos em seu Estado, com uma vantagem de inacreditáveis 65 pontos porcentuais sobre o segundo colocado, Ricardo Gomyde (PCdoB). Em entrevista ao site de VEJA, o parlamentar atribui o resultado à postura clara de oposicionista que teve durante os últimos oito anos. E diz que, em um eventual governo de Aécio Neves, vai se dedicar à aprovação das reformas política, tributária e federativa.

A que o senhor credita esse porcentual tão elevado de votos? Eu creio que seja resposta ao comportamento adotado nesses anos. Especialmente um reconhecimento ao esforço de se interpretar com certa eficiência esse sentimento de indignação nacional. Parece a mim que é uma aprovação à postura adotada nesses anos.

Isso prova que fazer uma oposição incisiva dá votos em vez de tirá-los, como temem alguns parlamentares, ou o senhor é uma exceção? Não se deve subestimar a inteligência das pessoas. Eu imagino que o comportamento dos eleitores reflete um amadurecimento político, uma conscientização. Para ele, no caso da eleição do Paraná, foi mais importante o que se fez antes da eleição do que o que se discutiu durante a campanha eleitoral. Mais do que as promessas, vale a ação concreta desenvolvida antes dela.

O senhor chega ao quarto mandato, o terceiro consecutivo. Teme sofrer um desgaste como o do senador Eduardo Suplicy (PT-SP), que ficou 24 anos no cargo e foi derrotado nessas eleições? É evidente que se isso ocorrer eu não disputo a eleição. Eu consultei o Paraná sobre se deveria ou não disputar a eleição, por meio de pesquisas de opinião pública. E elas mostravam um índice semelhante ao que eu tive nas urnas, contra qualquer adversário.

Durante a última legislatura, a oposição chegou a ser a mais reduzida da história. Com o novo Congresso eleito, haverá mais equilíbrio? Ainda não dá para fazer essa avaliação. Realmente nesses anos tivemos a menor oposição da nossa história, numericamente. Uma oposição insignificante: de 81 senadores, 15 votando com a oposição, e nem todos fazendo de fato oposição. Agora, não sei. Se ocorrer a vitória do Aécio, esperamos uma relação republicana do Executivo com o Legislativo, com a derrubada desse balcão de negócios, com o fim do toma-lá-dá-cá, do cooptação a qualquer preço. Imagino que seja possível, sim, governar sem o balcão de negócios. E aí nós teremos um Congresso mais independente, mais autônomo.

O senhor está preparado para ser da base aliada em um eventual governo do PSDB? Certamente eu teria que mudar o modelo de atuação. Posso ser um colaborador solidário do governo, especialmente trabalhando a favor das reformas. Acho que o país depende de reformas com urgência. Nós estamos atrasados, o país está amarrado a estruturas retrógradas, superadas, vendidas, que impedem seu crescimento acelerado. O Brasil não vai alcançar os índices de crescimento econômico compatíveis com suas grandezas sem essas reformas. Eu quero atuar no campo da construção. Pressionar a favor das reformas. É evidente que nesse sistema presidencialista, quase imperial, que temos, o papel do presidente da República é essencial para que as reformas ocorram. Quero fazer a reforma política, que é a matriz das demais, e a do sistema federativo. O sistema está esgarçado, com um desequilíbrio gritante, promovendo injustiças flagrantes em prejuízo especialmente dos municípios na distribuição dos recursos. A crise pode se aprofundar sem a reforma do sistema federativo. Ela é essencial, tem que ser um compromisso do nosso presidente. E na esteira dela vem a reforma tributária.

Durante muito tempo, Aécio Neves foi criticado por fazer uma oposição tímida. A ida dele ao segundo turno foi acaso ou é fruto de uma mudança de discurso? Ele amoldou o discurso, por isso cresceu. Sempre entendi que quem conseguisse interpretar com maior eficiência esse sentimento nacional de indignação ganharia a eleição. E se ninguém interpretasse com eficiência ganharia a presidente Dilma. Num primeiro momento a Marina Silva surgiu como intérprete desse sentimento e cresceu. Mas ela não conseguiu dar consistência a esse movimento e houve uma reversão que abriu espaço para o retorno do Aécio. E o Aécio aprimorou seu discurso, o tornou mais veemente. Passou a interpretar com maior eficiência esse sentimento, que é um sentimento de reação ao sistema vigente. Especialmente nos dois últimos debates, ele assumiu com muita veemência esse papel de intérprete do sentimento de indignação nacional. Por isso eu acho que esse movimento dificilmente será revertido. É um movimento crescente e o Aécio conseguirá, a meu ver, sustentá-lo, e por isso ganhará as eleições. Se nós formos analisar pela lógica, a vitória dele é visível. A perspectiva de vitória é real porque quem votou na Marina votou também com o propósito da mudança. Então, a migração desses votos da Marina será majoritariamente favorável ao Aécio. A análise mais coerente é de que o favorito é ele.

Se vencer, ele conseguirá construir uma base de apoio sólida? Nenhum presidente dos últimos tempos, pelo menos desde que eu estou na atividade, teve dificuldade com maioria no Congresso. Nem o presidente Sarney, num momento de grande impopularidade. Não basta substituir um presidente por outro, é preciso substituir esse sistema promíscuo. A história mostra que as civilizações entram em declínio em razão da promiscuidade e da corrupção. O Brasil entrou num período de declínio exatamente em razão da promiscuidade e da corrupção. A substituição desse sistema é uma exigência nacional e o Aécio ganha a eleição exatamente porque está incorporando essa esperança de mudança do sistema. O que eu imagino é que ele vai assumir esse papel, de não rimar governabilidade com promiscuidade, estabelecer uma relação republicana com o Congresso. Adotando medidas populares e propondo reformas de profundidade ele ganha o apoio popular. E presidente que tem o apoio popular tem o Congresso ao seu lado. Congresso não rema contra a correnteza. Prestigiar politicamente os parlamentares, mas não aceitar a hipótese da barganha, da picaretagem política explicita que ocorreu nos últimos anos. Eu acho, sim, que é possível ele conquistar uma maioria no Congresso Nacional com atitudes. Com presença política e com providências marcantes que conquistem o apoio popular.

Os resultados das urnas em Rio Verde

Prefeito Juraci elege seus dois candidatos: Heuler Cruvinel e Lissauer Vieira

Na renovação da Câmara Federal e da Assembleia goiana, Rio Verde contribuiu com a eleição de dois candidatos; para a Câmara,
o jovem Heuler Cruvinel, que cumprirá o seu segundo mandato e, para a Assembleia o estreante Lissauer Vieira, ambos do PSD.

Após o fechamento dos votos do primeiro turno, o movimento tomou conta das redes sociais, principalmente, no twitter e facebook. Alguns já agradecendo pelos votos recebidos; outros, lamentando a perda e reclamando da injustiça do poder financeiro, o que mais uma vez se comprovou, pois candidatos com boa estrutura financeira superaram em votos àqueles que mesmo trabalhando bem não conseguiram reeleição.

Com os resultados das eleições para presidente e para governadores de vários Estados, haverá disputas no segundo turno, que muitos creem ser uma nova eleição, em virtude do número de votos alcançados pelos candidatos.

01

Também em Goiás, como em nível federal, as eleições ainda não acabaram para Governador

04

Na renovação da Câmara Federal e da Assembleia goiana, Rio Verde contribuiu com a eleição de dois candidatos; para a Câmara, o jovem Heuler Cruvinel, que cumprirá o seu segundo mandato mesmo tendo tido menos apoio dos rio-verdenses, já que sua votação diminuiu no município em cerca de 9 mil votos com relação aos obtidos na eleição para o seu primeiro mandato, em 2010; Heuler trabalhou e teve que buscar mais votos fora do município de Rio Verde.

02

Goianos eleitos para a Câmara Federal e os partidos representados.

05

Para a Assembleia, o povo trocou o deputado, Karlos Cabral, pelo estreante Lissauer Vieira, gaúcho, produtor rural e secretário de comunicação do prefeito Juraci Martins, que em apenas seu período de campanha, fez-se conhecido no município e no Estado, com uma excelente estrutura política, conquistou a simpatia dos eleitores, garantindo boa votação.

03

Formação partidária do Assembleia Legislativa de Goiás, com os partidos e seus números de candidatos eleitos.

06

Há cerca de um ano e meio depois das grandes manifestações de rua que tomaram o país em 2013, o Brasil elegeu um novo Congresso Nacional com cerca de 40% de novos nomes; em Goiás, a Assembleia foi renovada em 49%, mas, será que era esse o corpo do Poder Legislativo em nível estadual e federal que era reivindicado pelo povo nas ruas?

Votos dos candidatos rio-verdenses obtidos somente dentro do município.

08

Campeões de votos para deputado estadual em Rio Verde, de outros municípios.

07

09

Os votos de rio-verdenses destinados a políticos de outros municípios somaram mais de 17 mil para deputados federais e mais de 11 mil para deputados estaduais

Os candidatos de Rio Verde a Deputado Federal:

HEULER Abreu CRUVINEL (PSD) – 90.877 votos – ganhou pela segunda vez e com o aval do Prefeito Juraci Martins, que foi também outro grande vencedor em Rio Verde, o que certamente, fará com que o Prefeito mude de opinião e deseje continuar na vida pública, já que sempre houve comentários de que o Doutor Juraci não queria mais, participar de política pública.

NAUDIA Terezinha Ferraz FAEDO (PT) – 3.192 votos – não obteve votos suficientes e provavelmente não agregou o esperado para favorecer Karlos Cabral, na dobradinha feita para a campanha. A candidata deverá continuar disputando para o cargo de vereador em Rio Verde.

NAYARA BARCELOS Ferreira (PSB) – 11.813 votos – perdeu para deputada, mas, terá grandes chances de eleição no próximo pleito para vereadora e até mesmo para entrar como vice de candidato a prefeito.

PAULO Faria DO VALE (PMDB) – 41.845 votos – teve sua primeira experiência na política partidária e, mesmo tendo sido considerado um dos melhores secretários de saúde de Rio Verde, conseguiu votação expressiva na cidade. De qualquer forma, está capacitado para se candidatar também a prefeito de Rio Verde, nas próximas eleições.

Os candidatos de Rio Verde a Deputado Estadual:

Alessandro Mendonça Cabral – CAXOTINHO (PSL) – atingiu o número de 1.075 votos. Conhecedor da arte de fazer política, mas, não convenceu bom número de eleitores.

Francisco Guimaldi de Lima – CHICO KGL (PDT) – político iniciante, conquistou 7.503 votos e pela campanha que fez, certamente concorrerá a vereador nas próximas eleições.

JOSÉ HENRIQUE de Freitas – PMDB – conseguiu 12.165 votos e certamente continuará na vida pública se candidatando a qualquer cargo, principalmente, porque tem bons companheiros no partido e conta com o apoio de uma boa parte dos rio-verdenses.

KARLOS Márcio Vieira CABRAL – PT – obteve 15.254 votos e é considerado um grande perdedor, porque trabalhou bem na Assembleia e até foi eleito pela imprensa goiana como o melhor deputado de Goiás. Certamente, não foi reeleito pela falta de estrutura financeira, que é motivo de reclamação da maioria dos não eleitos e, pela sigla partidária que representa, o PT.

LEONARDO VELOSO do Prado – PRTB – alcançou 7.753 votos e provavelmente esperará mais 4 anos para se candidatar novamente.

LISSAUER VIEIRA (PSD) – conseguiu 29.676 votos e este foi um grande vencedor, pois é do sul do País e veio para o centro-oeste brasileiro para trabalhar na agricultura e ingressou também na vida pública. Por ter sido secretário do Prefeito Juraci, teve a oportunidade de ser o candidato do prefeito que está muito bem politicamente. Lissauer teve uma das melhores estruturas financeira do município.

MARCILENE da SILVA Sousa (PP) – um exemplo de determinação na forma de trabalhar. Mesmo sem estrutura alguma, sem cabos eleitorais e apenas com os famosos “santinhos”, conseguiu 569 votos, o que políticos velhos de estrada, não conseguiram.

MARIA JOSÉ Guimarães Cabral – PSDB – teve 13.278, também considerado boa votação, o que a credencia para novas investidas a qualquer cargo político.

PASTOR BENEDITO Arrais de Moraes – PSB – conseguiu 5.947 votos, o que é considerado pouco, já que faz parte de uma igreja que tem fieis em todo o Estado de Goiás.

PASTOR WAGNER Alves AZEVEDO – PRP – mesmo só, conseguiu 3.872 votos e é um dos que fez campanha sem recursos financeiros, contando apenas com os que conhecem bem o seu trabalho. Com certeza o candidato continuará se candidatando a vereador em Rio Verde.

ZULEIKA Camilo de Souza Alves – PSC – obteve 4.553 votos. Pode ser considerado baixo número de votos, já que é empresária do setor imobiliário e é bastante conhecida até mesmo fora do Estado.

Reportagem: Divino Ramos